Entenda os termos relacionados ao Coronavírus

COVID-19 x Coronavírus x Sars-CoV-2

COVID-19 é a doença respiratória causada pela infecção do vírus.

Coronavírus (ou coronaviridae) é o nome da família a que o vírus pertence. Eles chegam aos humanos a partir de contato com animais.

Sars-CoV-2 é a variação do vírus e é uma abreviação de “síndrome respiratória aguda grave – coronavírus 2”.

 

EPI

É uma abreviação para Equipamentos de Proteção Individual. Esses equipamentos (máscara, luvas, proteção ocular) previnem contaminações a profissionais da saúde, de limpeza, motoristas de ambulância e tantos outros que neste momento estão trabalhando contra o coronavírus.

 

Achatamento da curva

A “curva” refere-se ao gráfico de pessoas infectadas ao longo do tempo. Se ela tem um pico acentuado, nosso sistema de saúde não conseguirá atender a todos. Para não sobrecarregá-lo e termos mais chances de tratamento, precisamos achatar essa curva, reduzindo o números de casos simultâneos.

 

Imagem: BBC: Por que é fundamental achatar a curva da transmissão no Brasil?

 

Grupo de risco

São pessoas que têm mais chance de terem casos graves caso sejam infectadas. No caso da COVID-19: portadores de doenças crônicas, como problemas cardíacos, diabetes, hipertensão, doenças pulmonares; pacientes com câncer; pessoas com idade igual ou superior a 65 anos.

Um estudo feito na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sugere que 50% da população brasileira adulta faz parte do grupo de risco. Isso significa que cerca de 86 milhões de pessoas apresenta ao menos um agravantes à manifestação da covid-19. Tá aí mais um motivo para todos sermos sempre mega cuidadosos, né véi?

 

Taxa de transmissão (R0)

É a taxa de capacidade do vírus de se disseminar entre pessoas. Precisamos reduzir o número de contágios por pessoa e, muitas vezes, é possível que alguém contaminado assintomático contamine outras pessoas por não aparentar estar doente. Todo cuidado é pouco, por isso o movimento Masks for All faz toda a diferença e é tão importante.

Segundo o cientista pesquisador Jeremy Howard, se todas as pessoas usarem máscaras, o padrão de disseminação da doença pode ficar abaixo de 1, o que significaria o fim da pandemia.

O uso generalizado da máscara pode causar o chamado efeito de rede: minha máscara te protege e a sua máscara me protege também. A proteção vai aumentando assim, exponencialmente, garantindo mais efetividade dessa barreira física.

É por isso que usar máscara, além de ser uma atitude de autocuidado, também é uma forma de generosidade e de cuidar de todos os outros, aqueles que amamos até os que não conhecemos.

 

RT-PCR

Abreviação para reverse-transcriptase polymerase chain reaction, é o exame que diagnostica a COVID-19. A confirmação é obtida quando o RNA do SARS-CoV-2 é detectado na amostra analisada. Para saber mais sobre o vírus, assista esse vídeo do nosso parceiro Philip Ferreira, professor de Biologia e neurobiologista de Brasília.

 

 

E esse aqui sobre perspectivas para o futuro e mutações do coronavírus:

 

 

Se proteja, fique em casa, cuide de quem você ama e se mantenha saudável na quarentena. Graças aos nossos clientes, já doamos mais de 4 mil máscaras a hospitais do DF que precisam. Estamos juntos nessa. 💚

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *